Revista MB Recomenda

Canto do Leo

Por Luís Pimentel - 19/02/2018

Com alma, reverência e embocadura de sambista, o cantor e compositor carioca (carioquíssimo) Leo Russo abre alas para o samba-canção no bonito CD “Canto do Leo”. Dos mais tradicionais – como o emblemático “Somos iguais” (Evaldo Gouveia/Jair Amorim) – a experiências contemporâneas, a exemplo do lindíssimo “Dois bombons e uma rosa”, de Aldir Blanc (aqui o poeta da Muda fazendo música e letra), é possível um ótimo passeio pelo gênero. Além dos autores citados, outros representantes de peso, como Vadinho e Adelino Moreira (“Meu vício é você”, quem não lembra?) marcam presença no álbum, que revela ainda a obra autoral de Leo, em melodias gostosas e versos inspirados, como esse: “Te vejo jogando altinho na beira d´água / E o sol parece sorrir pra nós dois / Molho os meus pés, olho pra ti / Olha pra mim, Olhos de mar”. Além de contar nas gravações com um timaço de músicos, “Canto do Leo” tem direção musical, arranjos e piano de Cristóvão Bastos. Empreendedor, batalhador das causas mais nobres da música brasileira e artista muito querido pelos seus pares, Leo Russo toca a jovem carreira com muito esmero e devoção. Está na luta, no corpo-a-corpo com um mercado fonográfico dos mais confusos. Mas o “Canto” e a obra estão lançados. Como diz um verso da linda canção de Fausto Nilo e Evaldo Gouveia, presente no disco, “Agora é a vida”. 

Publicidade