Memória

Relembrando Zé da Zilda

Por Alberto Buaiz Leite - 27/01/2018

“As águas vão rolar/Garrafa cheia eu não quero ver sobrar/Eu passo a mão na saca, saca, saca-rolha/E bebo até me afogar”. Muitos já cantaram estes versos de uma marchinha carnavalesca chamada “Saca- Rolha”. Um de seus autores é José Gonçalves em parceria com Zilda do Zé e Valdir Machado. Talvez poucos conheçam este nome, mas se mencionarmos seu nome artístico-Zé da Zilda- muitos saberão de quem se trata.


     Nosso homenageado nasceu em 06 de janeiro de 1908, em Campo Grande, Rio de Janeiro. Era filho de músico e aprendeu com o pai a tocar cavaquinho, aos cinco anos. Morou no morro da Mangueira desde a infância, participou da ala de compositores da Estação Primeira e lá conheceu Cartola e Carlos Cachaça que, mais tarde, seriam seus parceiros.


     No início de sua carreira, ficou conhecido como Zé Com Fome, em função do personagem por ele interpretado, em 1928, na Companhia Teatral Casa de Caboclo, do bailarino Duque. Depois foi por ele levado para a Rádio Educadora, formando dupla com Claudionor Cruz, o Pente Fino. Na década de 1930 transferiu-se para a Rádio Transmissora com um programa próprio e lá conheceu a cantora Zilda que iniciava carreira. Passou a cantar com ela formando a “Dupla da Harmonia”. Em 1938 se casaram e mantiveram a dupla musical. Em 1939, por sugestão de Paulo Roberto, apresentador da Rádio Cruzeiro do Sul onde atuavam a dupla passou a se chamar Zé da Zilda e Zilda do Zé.

Publicidade


     O artista fez uma promissora carreira como compositor de sambas e marchas carnavalescas. Sua primeira música gravada, em 1937, por Araci de Almeida foi “Não Quero Mais” em parceria com Cartola e Carlos Cachaça. Décadas depois, no LP “Nervos de Aço”, Paulinho da Viola a regravou com o título “Não Quero Mais Amar a Ninguém”. Em 1940, a convite do maestro Villa-Lobos, participou ao lado de grandes nomes da nossa música como Cartola, Pixinguinha, João da Baiana e Donga, da gravação dos discos de Leopold Stokovski editados pela gravadora Columbia nos Estados Unidos.

Em 1942, outro grande sucesso foi gravado na voz de Nelson Gonçalves, o samba “Quem Mente Perde a Razão” em parceria com Edgard Nunes. Neste mesmo ano, seu maior sucesso foi gravado, “Aos Pés da Cruz” em parceria com Marino Pinto. Lançado por Orlando Silva teve inúmeras gravações nas décadas seguintes. Outras músicas foram ainda lançadas nas décadas de 1940 e 1950, interpretadas por variados artistas ou por ele mesmo e sua parceira Zilda do Zé.


     Zé da Zilda teve carreira curta. Faleceu, precocemente, em 10 de outubro de 1954, aos 46 anos, vítima de derrame cerebral. Mas foi um artista completo. Músico, cantor, compositor, autor de cerca de 100 músicas, lançou mais de 30 discos78 RPM e foi gravado por grandes nomes de nossa música.
 

Publicidade