Memória

Noel Rosa, 105 anos

Por Luís Pimentel - 11/12/2015

Noel Rosa, o gênio indiscutível da nossa canção, que passeou por diversos gêneros com a mesma elegância, faria 105 anos neste mês de dezembro de 2015, no dia 11. Viveu apenas 27 anos (incompletos), mas deixou uma obra de tirar o fôlego de qualquer um: mais de duas centenas de músicas, todas com uma garantia de qualidade jamais questionada por quem quer que seja.

     O autor de momentos sagrados da MPB, como Conversa de botequim, Pra que mentir?, Pela décima vez, O orvalho vem caindo, Silêncio de um minuto, Feitio de oração, X do problema e de tantos, tantos outros, veio ao mundo marcado (e para sempre) pelo fórceps que lhe fraturou a afundou o maxilar inferior. Carioca, nasceu na Rua Teodoro da Silva, em Vila Isabel, filho de um gerente de loja de roupas (Manuel Rosa) e de uma dona de casa (Marta de Medeiros Rosa).

 Noel teve infância de menino classe média no Rio daqueles anos, com direito a escola, alimentação na hora certa, roupas bem passadas e lazer. Estudou em bons colégios e chegou à Faculdade de Medicina. Chegou, mas não ficou. O samba (que não se aprende no colégio) falou mais alto. A Medicina perdeu um doutor, mas a música brasileira ganhou seu mais inspirador compositor.

Publicidade

     A primeira música foi gravada em 1928 (neste ano, do outro lado da linha do trem, Cartola, Cachaça e outros bambas estavam criando a Estação Primeira de Mangueira) e chamava-se Ingênua, uma valsa. Dois anos depois estourou com a irreverente Com que roupa? (Eu hoje vou mudar minha conduta/Eu vou pra luta, pois eu quero me aprumar). Em 1931, ainda tentando conciliar as atividades de estudante de Medicina com as de compositor, cantor, boêmio e namorador inveterado, gravou mais de 20 músicas e viu seu nome consagrado, sobretudo por conta da divertida Gago apaixonado (Mu-mu-um-um-mulher/Me fi-fi-fi-zeste um estrago).

     Daí em diante, era Noel Rosa, o poetaço da Vila, pontificando no Café Nice, nos bares da Lapa, no teatro de revista, no Theatro Central, nas principais emissoras de rádio, polemizando com Wilson Batista (outro gigante), namorando coristas e produzindo sem parar. Numa época em que uma simples tuberculose matava, o Poeta da Vila bebeu muito sereno – sempre acompanhado de um bom traçado, um conhaque e a cervejinha de fé – e descuidou do peito. Tentou salvar os pulmões nos inúmeros recantos de recuperação então existentes, mas não conseguiu.

     O coração mais inspirado que já bateu na Vila fez silêncio no dia 4 de maio de 1937, na casa dos pais, na mesma Teodoro da Silva onde nasceu, deixando uma multidão de fãs órfãos e de mulheres apaixonadas.
 

Publicidade