Especial

Doce Rosa

Por Luís Pimentel - 14/08/2015

Ela canta como se estivesse falando umas bobagens bonitas no ouvido da gente. Como tudo o que ela canta é bonito, pois escolher repertório é uma de suas grandes qualidades de intérprete, e bobagem em baianês quer dizer coisa boa e não coisa boba, Rosa Passos está sempre nos emocionando, a cada novo disco.

Este que acaba de sair chama-se “Rosa Passos canta Ary, Tom e Caymmi” (Biscoito Fino). Com certeza não precisa, mas vamos lembrar que Ary é o Barroso, Tom é Jobim e Caymmi é ele mesmo, Dorival. Pedras preciosas do precioso repertório desses três mestres soberanos da composição brasileira foram selecionadas por Rosa. São elas: “O samba da minha terra”, “Um vestido de bolero”, “Marina”, “Só louco” e “Vatapá”, de Caymmi; “Inútil paisagem”, “Garota de Ipanema”, Vivo sonhando” e “Samba de uma nota só”, de Tom (parcerias com Aloysio de Oliveira, Vinicius de Moraes e Newton Mendonça); e “Morena boca de ouro”, “Pra machucar meu coração”, “Camisa amarela” e “Isso aqui o que é?”, de Ary.

A baiana Rosa Passos há muito conquistou um lugar de destaque na música brasileira. Reconhecida como uma das cantoras mais afinadas que temos, coleciona elogios de críticos, compositores e conhecedores do assunto. Neste disco, ela reúne canções espalhadas por três álbuns anteriores, sempre dedicados aos mestres da composição, entre eles o premiado “É luxo só”, de 2011.

Publicidade

Nas gravações, Rosa está acompanhada de grandes músicos da MPB, como Jorge Helder, Erivelton Silva e Marco Brito, além da dupla de craques Lula Galvão e João Donato, responsáveis também pelos delicados arranjos.
 

Publicidade